Carregando...

TADASHI KAMINAGAI

(1899, Hiroshima, Japão - 1982, Paris, França)

Por decisão de seu pai, freqüentou a partir dos 14 anos um monastério budista, que dois anos mais tarde o enviou para a Indonésia. Ali, trabalhou até os 27 anos em plantações de borracha, côco, café, milho e arroz.

Determinado a estudar pintura, em 1927 viajou para Paris, onde foi acolhido por Foujita, que o aconselhou nas primeiras questões técnicas de pintura. Já nos anos 30, participou de salões parisienses: Nacional de Belas Artes, das Tulherias e de Outono. Ligou-se à Escola de Paris, principalmente a Foujita, Bonnard, Derain, Chagall, Braque e Matisse, os quais passaram a emoldurar seus quadros na pequena oficina que ele montara na capital francesa. Em 1940 voltou ao Japão, e no ano seguinte viajou para o Brasil. Retornou ao Japão em 1955. Fixou-se definitivamente em Paris dois anos depois.

Santa Teresa - 1954

Pintor fovista, foi um típico representante da Escola de Paris, expressando seus temas, antes de tudo, através da cor, que nele sempre foi vibrátil. Carregou sua pintura de um lirismo que é, ao mesmo tempo, uma lição de profundo amor à vida. Daí, também, a presença, ao lado da paisagem, de um outro tema recorrente, a flor, símbolo desse seu apego à vida, aos amigos, à família e, sobretudo, à própria pintura, fonte de prazer e de alegria. Soube captar e transmitir em suas telas a diversidade de nossa paisagem: o verde e a quietude amazônicas, a agitação e luminosidade das praias cariocas, o colorido da arquitetura de Salvador e São Luís. Nunca se manteve indiferente a essa diversa paisagem que o comovia.

No Brasil, participou da Bienal de São Paulo (1951 e 1953) e do Salão Nacional de Belas Artes (medalha de prata em 1942). Sobre sua presença no país, escreveu José Roberto Teixeira Leite: "Exerceu profunda influência não somente sobre um grupo de então jovens, a hoje famosos artistas japoneses, como também sobre alguns pintores brasileiros que lhe assimilavam o estilo num ou noutro momento de sua evolução." Em 1987, a Galeria Marion, de Tóquio (Japão), realizou uma retrospectiva de sua obra. Entre 1994 e 1995, integrou a mostra da Coleção Unibanco, na Casa da Cultura de Poços de Caldas (MG) e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Fonte: www.bolsadearte.com e catálogo de leilão do Escritório de Arte de Soraia Cals.




© www.artenarede.com